0
  • Carrinho vazio

    Você não tem nenhum item no seu carrinho de compras

0
  • Carrinho vazio

    Você não tem nenhum item no seu carrinho de compras

Digite a palavra chave

post

8 passos simples para se libertar da culpa usando a meditação

8 passos simples para se libertar da culpa usando a meditação

A culpa é um dos sentimentos que mais gera doenças para o ser humano, especialmente as de ordem mental e emocional, mas também enfermidades físicas como o câncer, devido ao fato dos fatores emocionais serem os fatores preponderantes, conforme atesta o trabalho fabuloso realizado por dois oncologistas norte-americanos: Dr. Carl Simonton e Bernie Siegel  
A culpa é um sentimento composto de três outros: autojulgamento, autocondenação e autopunição, com os quais a pessoa se distancia da lei de amor porque exige de si uma perfeição que não pode acontecer.  

Quem se culpa é alguém muito exigente consigo mesmo, não se permitindo o erro, devido ao perfeccionismo, que significa literalmente culto à perfeição. 

A pessoa perfeccionista é aquela tem muito medo de errar e, por isso, procura fazer tudo perfeito, certinho, sem o mínimo erro. Exige essa perfeição de si mesma e das outras pessoas também.  
Quando algo sai errado, como é comum acontecer, pois ainda estamos muito distantes da perfeição, o perfeccionista não aceita o erro. Culpa-se e pune-se por isso, quando é ele mesmo a errar, ou culpa e pune a outrem, quando outra pessoa praticou o ato errado. 
Observando-se as aparências, poderemos achar que ter perfeccionismo é algo bom, pois a pessoa está sempre procurando fazer as coisas perfeitas, pelo medo terrível que ela tem de errar. Mas isso é muito diferente da virtude do esforço de aperfeiçoamento, porquanto quem a desenvolve aceita que ainda não é perfeito e, portanto, admite o erro, analisando-o como um processo de aprendizado e crescimento.  
Somente é possível nos libertar da culpa cultivando a virtude do autoperdão, que é um sentimento filho do amor e da compaixão por si mesmo, pois não significa acreditar que o erro é desculpável de uma forma simplista. Ao contrário, perdoar-se envolve a virtude da autoconsciência, com a qual o indivíduo sabe que é responsável pelas escolhas que realiza 

Você também pode gostar: A causa que mais leva a depressão, saiba como lidar com o sentimento de culpa

A meditação entra neste ponto para libertar a pessoa da culpa, porque é a ferramenta mais adequada para exercitar os sentimentos de autoamor e de autocompaixão.  
Utilizando técnicas de meditação como a de reflexão, na qual se exercita a virtude do discernimento, e da visualização terapêutica, a pessoa exercita o sentimento de aprendiz, promovendo o autoacolhimento responsável, no qual assume a verdade, ou seja, que errou, qualquer que seja o erro, mas que pode aprender com ele e repará-lo, quantas vezes forem necessárias. 

Você pode fazer a seguinte visualização terapêutica para libertar-se gradualmente da culpa:  

  1. Feche os olhos e faça um relaxamento dos pés à cabeça. 
  2. Depois que sentir-se relaxado, mentalize um ambiente junto à natureza que você se sinta bem.
  3. Nesse ambiente reflita sobre a importância do autoperdão na sua vida, buscando analisar-se com responsabilidade. Você se sente culpado(a) pelos erros que cometeu e pode ser que sente culpa até por situações que você não se lembra, mas busque perceber que somente se perdoando focando no aprendizado e na reparação dos seus erros é que você se libertará das culpas e caminhará em direção a um futuro melhor. Busque se autoacolher como um aprendiz da Vida. Você está aqui para aprender com os seus acertos e erros e não para acertar sempre, porque isso é impossível no nível evolutivo que você está.
  4. Mentalize você mesmo(a) na sua frente. Coloque todo esse sentimento de culpa com as suas sensações e emoções na sua autoimagem, como se elas saíssem de você e fossem projetadas na sua imagem que você vê na sua frente. Observe atentamente a sua autoimagem com toda essa culpa. Perceba todos os seus detalhes. 
  5. Observando a sua autoimagem, busque acolher-se com autoamor, autoaceitação e autoperdão.
  6. Lentamente, aproxime-se da sua autoimagem, abrace-a com carinho. Busque se oferecer todo o seu amor, aceitação e perdão.
  7. Depois de se acolher com amor e compaixão, faça um passeio mental por esse local no qual você se sente psiquicamente, buscando se identificar com a natureza à sua volta, observando a beleza de tudo e sentindo que você traz essa beleza dentro de si.
  8. Quando sentir que se identificou com a beleza, gradualmente volte ao seu nível de vigília.    

Ao realizar essa meditação, diariamente, a culpa vai sendo gradualmente liberada por meio do autoperdão.  
Deixe o seu comentário sobre o que você achou deste artigo, ou a sua pergunta, se tem alguma dúvida. Sugestões de temas para futuros artigos também são bem-vindos! 
Até o próximo artigo! 

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Olá!
Precisa de ajuda?
Powered by