0
  • Carrinho vazio

    Você não tem nenhum item no seu carrinho de compras

0
  • Carrinho vazio

    Você não tem nenhum item no seu carrinho de compras

Enter your keyword

post

Você sabe como melhorar os seus relacionamentos?

Você sabe como melhorar os seus relacionamentos?

Uma das questões que mais as pessoas gostariam de melhorar são os seus relacionamento interpessoais. Para isso, é fundamental desenvolver a empatia.

A palavra empatia é derivada da palavra grega empátheia, que significa literalmente “entrar no sentimento”. A empatia é uma virtude fundamental para um bom relacionamento interpessoal.
A essência da empatia indica que quanto mais conscientes estivermos acerca de nossos sentimentos, mais facilmente poderemos entender os sentimentos dos outros.
O autoconhecimento vai nos mostrar os sentimentos que estão baseados no ego e aqueles que estão centrados na Essência Divina que somos.
A capacidade de autodomínio nos ajuda a ter equilíbrio emocional para saber quando estamos identificados com um tipo de sentimento ou com outro.
Para sentir empatia pelas pessoas com que convivemos, é necessário que estejamos identificados com o sentimento de amor essencial que somos, para que possamos conectar com o amor essencial do outro.
Quando estamos conectados com esse amor, a nossa energia é de acolhimento do outro, mesmo se ele estiver conectado com o próprio ego.
Ao contrário, quando estamos conectados com o nosso ego, a nossa energia repele o outro mesmo que a pessoa esteja conectada com o Ser Essencial e, mais ainda, se estiver conectada com o seu ego. Nesse caso não há empatia.
A empatia, portanto, é a capacidade de entrar em sintonia com o outro, a partir da capacidade de sintonia consigo mesmo, compreendendo, aceitando e sendo compassivo com o outro.
Podemos dizer que é o exercício pleno do amor ao outro, que acontece a partir do autoamor.

Você também vai gostar de ver: 4 passos para desenvolver a vontade de autotransformação

A capacidade de perceber como o outro se sente é muito importante em vários aspectos da vida: no trabalho, no casamento, no relacionamento entre pais e filhos, e em relacionamentos em geral.
Com o desenvolvimento da capacidade empática, conseguimos administrar melhor todas as situações de relacionamento interpessoal, principalmente quando a situação é conflituosa.
Suponhamos, por exemplo, que uma pessoa nos trate mal por que ela se encontra irritada, com raiva devido ao fato de estar passando por algum problema.
Essa pessoa se encontra identificada com os seus sentimentos egoicos.

Nós podemos responder a sua agressão de três maneiras. Podemos reagir, identificando-nos também com o nosso ego e responder com agressividade, dando o troco.

Podemos bloquear a nossa irritação e mascarar os nossos sentimentos, engolindo a raiva e fingindo que está tudo bem, atuando de forma passiva ruminando a raiva dentro de nós.
Podemos utilizar a empatia, transformando a raiva que poderíamos sentir em compaixão pela pessoa que está doente das emoções.
Esta última atitude nos leva a aceitar a pessoa que está por trás do comportamento, propiciando-nos a compreender o modo de proceder dela.
O comportamento dela está agressivo, mas ela em essência não é essa agressividade.
Em essência, ela é amor assim como nós também.
A empatia nos aproxima das pessoas com quem nós nos relacionamos.
Da mesma forma que alguém pode nos tratar mal quando está identificado com o ego, nós, por nossa vez, também podemos agir da mesma maneira, quando identificados com o nosso ego.
É claro que nós gostaríamos que os outros nos compreendessem o momento de irritação.

Então, a empatia nos leva a agir com os outros assim como gostaríamos que agissem conosco.

Desenvolver a empatia é uma tarefa muito trabalhosa, pois na maioria das vezes nos identificamos com o ego, ao invés da Essência.
É muito mais fácil reagir ou nos acomodarmos do que ter uma atitude proativa.
Para isso é necessário realizar esforços para nos conectarmos com nós mesmos, em essência.
Portanto, para que consigamos desenvolver a empatia, é fundamental fazer exercícios constantes de forma paciente, perseverante e disciplinada para conquistarmos essa virtude que nos auxiliará muito em nossos relacionamentos.
Se gostou do artigo, compartilhe-o. Deixe o seu comentário sobre o que você achou deste artigo, ou a sua pergunta, se tem alguma dúvida. Sugestões de temas para futuros artigos também são bem-vindos!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Olá!
Precisa de ajuda?