0
  • An empty cart

    You have no item in your shopping cart

0
  • An empty cart

    You have no item in your shopping cart

Enter your keyword

post

O arquétipo primordial

Como o grande objetivo da Psicologia Consciencial é o de trabalhar o contato profundo do ser humano com a Fonte que o criou, entender o significado da expressão Arquétipo Primordial é fundamental para compreendê-la.

Utilizamos a expressão Arquétipo Primordial para designar Deus, pois a abordagem que propomos na Psicologia Consciencial não é teológico-dogmática, como acontece comumente no ambiente religioso.  

É urgente a necessidade de uma mudança de paradigma na ciência, de modo que desenvolvamos instrumentos que conectem Deus e o ser humano em uma visão não teológica, além dos conceitos religiosos vigentes.

Leia também: AS BASES DA PSICOLOGIA CONSCIENCIAL

Há uma infinidade de evidências científicas em pesquisas de ponta acerca da realidade da existência do Arquétipo Primordial e do espírito, realizadas em renomadas universidades em vários países, que prenuncia uma mudança de paradigma. Todavia, essa mudança não é um processo fácil, pois ela gera múltiplas resistências no sentido de se manter o paradigma materialista ainda vigente.

Há no mundo contemporâneo uma tendência a se questionar os componentes espirituais da vida devido ao materialismo científico. Nos últimos quatrocentos anos a nossa sociedade adotou a crença que a ciência só pode ser construída sobre a ideia de que tudo que existe é feito de matéria ponderável. O materialismo passou a ser uma espécie de dogma dentro da ciência, que ninguém deve ousar contestar para não ser anatematizado, apesar da sua incapacidade de explicar uma infinidade de processos que acontecem em nossa vida diária.

Como o paradigma materialista não explica uma série de fenômenos que tangenciam as questões espirituais e transcendentes da vida, o que acontece é que eles são colocados à margem pelos cientistas materialistas dogmáticos, como se fossem processos de menor importância próprios para mentes infantis de atribuição exclusiva da religião.

Veja também: Psicologia Consciencial, Espiritualidade e Religiosidade

Na maioria das vezes, esses fenômenos não são nem cogitados para serem estudados pela academia, de modo que, por meio de hipóteses e estudos, possam ser refutados ou comprovados, pois é dessa maneira que a ciência deveria trabalhar. Por isso, a visão acadêmica acaba se tornando dogmática, pois dogma é tudo aquilo que não pode ser discutido. A ciência jamais deveria ser dogmática.

Por outo lado, na visão teológico-dogmática, própria da maioria das religiões cristãs que imperam na sociedade ocidental, Deus é um ser antropomórfico, claramente humanizado, que intervém o tempo todo na humanidade e, em virtude disso, deve ser temido. As questões espirituais surgem a partir de interpretações literais da Bíblia, que são colocadas como verdades incontestáveis.

Reflitamos sobre o que diz um dos maiores cientistas de todos os tempos, Albert Einstein, em seu livro Out of my later years:

Religião Cósmica

Deus é a lei e o legislador do Universo. A religião do futuro será cósmica e transcenderá um deus pessoal, evitando os dogmas e a teologia.

[…]

É muito difícil transmitir este sentimento a alguém completamente desprovido dele, especialmente porque não lhe corresponde qualquer concepção antropomórfica de Deus.

Os gênios religiosos de todos os tempos distinguiram-se por possuírem este tipo de sentimento religioso, que não reconhece nenhum dogma nem nenhum deus concebido à imagem do homem.

[…]

É, portanto, fácil de ver por que razão as igrejas sempre lutaram contra a ciência e perseguiram os seus devotos. Por outro lado, defendo que o sentimento religioso cósmico é o motivo mais forte e mais nobre para prosseguir a investigação científica.[1] (grifos nossos)

A concepção de Deus na Psicologia Consciencial não tem nada de teológico-dogmática. Vemos Deus como o Arquétipo Primordial, ou seja, a Energia Criadora que deu origem a tudo que existe no universo.

 [1] Einstein, Albert – Out of my later years, New York, Philosophical Library, 1955

Espero ter ajudado! Se gostou desse artigo não deixe de compartilhar e comentar aqui em baixo caso ainda tenha alguma dúvida ficarei feliz em sanar.
 

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Olá!
Precisa de ajuda?