0
  • An empty cart

    You have no item in your shopping cart

0
  • An empty cart

    You have no item in your shopping cart

Enter your keyword

post

Como realizar as suas metas de ano novo

Como realizar as suas metas de ano novo

Ao iniciar o ano muitas pessoas estabelecem metas de mudanças em suas vidas.

Estabelecem uma série de objetivos para melhorar emocionalmente, tornando-se mais serenas, calmas, felizes etc., mas a maioria somente fica no desejo, sem realizá-las.

Neste artigo, vamos refletir sobre o motivo pelo qual é fácil idealizar metas, mas realizá-las não é tão fácil assim e o que você pode fazer tornar as suas metas concretas.

Quando queremos realizar uma mudança, do que vamos necessitar?

Buscar recursos que nos modifiquem o estado atual para chegarmos ao estado idealizado, que é uma vida plenamente consciente que nos possibilita uma energia mental saudável, e, consequentemente, a saúde emocional.

No processo de buscar os recursos para superação da vida subconsciente vão surgir várias limitações, que são os empecilhos que vão dificultar a realização das mudanças necessárias.

As principais limitações que surgem para a realização das metas são:

1 – Não querer a mudança em nível profundo, por causa do trabalho que é necessário realizar para que a mudança se efetive, em decorrência da forte acomodação que mantém e dos ganhos secundários.

2 – Não acreditar que pode realizar as mudanças, porque não confia em sua própria capacidade.

3 – Não acreditar que merece realizar as mudanças, porque traz um processo subconsciente de autoboicote.

4 – Desejar uma mudança instantânea e sem esforços. 

A primeira grande dificuldade é não querer a mudança em nível profundo, devido aos chamados ganhos secundários ou fictícios.

Esse é o obstáculo maior.

A pessoa diz que quer mudar, mas analisando-se em nível profundo esse querer é da “boca para fora”.

O querer da “boca para dentro” não acontece.

A pessoa diz em alto e bom som para ela e para os outros eu quero muito mudar a minha vida, contudo em sua intimidade ela se compraz em permanecer como está. 

O seu movimento interno é incongruente com a fala.

O maior empecilho para se realizar mudanças é esse tipo de ganho secundário, a inércia, a acomodação.

Superar a acomodação não é uma tarefa fácil.

Por isso, o querer de muitas pessoas é ainda muito débil.

A pessoa tem o “ganho” de permanecer como está, pois para isso não precisa fazer esforços.

Você vai gostar de ler: VOCÊ SABE QUAL A SUA MISSÃO DE VIDA?

Outro ganho secundário muito comum e mais desafiador de superar, intimamente associado à acomodação, é a vitimização, ganho falso em que a pessoa coloca-se como vítima das circunstâncias, uma coitada que se comporta como vítima da vida para receber dos outros as migalhas da piedade.

Esse ganho secundário alimenta a acomodação, pois a suposta vítima, caso faça alguma coisa para mudar a sua vida não vai ter mais ninguém para passar a mão em sua cabeça e dizer para ela: coitada!

Todavia, é importante refletir que os ganhos secundários são ganhos falsos.

A pessoa parece ter algum tipo de vantagem com esse comportamento, mas apenas perde enquanto não se dispuser a buscar os verdadeiros ganhos.

Toda acomodação, cedo ou tarde, gera incômodos para a criatura.

 Outra limitação é a de não acreditar que pode realizar a mudança.

A pessoa diz assim: eu quero muito mudar a minha vida, mas não dou conta. Eu não consigo, não sou capaz porque é muito difícil.

Por que ela não acredita que pode mudar? Isso acontece devido à debilidade da vontade em virtude de nutrir crenças limitadoras.

Acontece o ganho secundário da vitimização, estudado acima, no qual a pessoa acredita que não é capaz de mudar porque não possui capacidade para tanto.

Ela acredita que é vítima das circunstâncias, e que, por isso, como uma coitada, ela não é capaz de mudar.

Se fossem mais honestas consigo mesmas, superando o autoengano, elas perceberiam que não querem fazer o esforço para que a mudança aconteça.

Essas pessoas estão cheias de crenças de que mudar é muito difícil, somadas ao ganho secundário da acomodação, fato que tornará a mudança praticamente impossível, enquanto as crenças não forem ressignificadas.

Na verdade, a pessoa não quer pagar o preço para a mudança.

Essa é a grande questão, pois todos nós temos o poder de mudar a nossa vida, mas é mais fácil acreditar que não temos para não precisar fazer esforços de mudança. 

Outro grande empecilho é a questão do não merecimento.

Isso dificulta muitas pessoas que têm uma boa força de vontade, acreditam que podem, porém, intimamente, acreditam que não merecem a mudança, gerando um boicote da própria ação de mudança, porque ela vai trazer uma vida mais harmoniosa e feliz.

Quando uma pessoa acredita que não merece ser feliz vai fazer tudo que for possível, consciente ou subconscientemente, para boicotar a ação de mudança.

Esse empecilho é muito forte em nossa cultura porque vem do sentimento de culpa, muito cultuado por muitos de nós.

Devido a culpas conscientes ou subconscientes, remanescentes de existências anteriores ou da existência atual,  acreditamos que necessitamos de condenação e punição e não de uma vida harmônica e feliz.

Em realidade todos nós merecemos a oportunidade de transformar toda negatividade, todos os delitos praticados no passado, próximo ou remoto, a partir das ações de amor.

Isso somente vai ser possível se nós mudarmos os nossos pensamentos e sentimentos, sob a ação da vontade bem conduzida.

O fato dessa escolha consciente gerar para nós uma vida mais harmonizada e mais feliz é apenas consequência de nossa atitude transformadora. 

Façamos uma analogia para entender melhor a questão do passado delituoso.

Achar que nós não merecemos coisas boas no presente ou no futuro é como se, hipoteticamente, a pessoa fosse dirigir um carro só olhando no retrovisor.

Se nós dirigirmos um automóvel só olhando no retrovisor, o que vai acontecer? Nós vamos bater o carro.

O fato de a pessoa colidir com o veículo é resultado da atitude dela de ficar apenas olhando para trás através do retrovisor.

Portanto, não é por causa do passado que ela não está tendo uma vida melhor, é devido às suas escolhas presentes. 

Contudo, dá para dirigir sem olhar no retrovisor, apenas olhando para frente? Não!

Para que serve o retrovisor?

Para nos direcionar para frente de forma adequada.

Se formos dirigir sem olhar no retrovisor também vamos acabar batendo.

O retrovisor serve para olharmos de vez em quando, para nos conduzir para frente.

Assim é o nosso passado, próximo ou remoto, é para que nós nos orientemos para o presente, a fim de termos um futuro melhor.

Se percebermos que erramos em algo acontecido em nosso passado, vamos nos responsabilizar pelos erros, aprender com eles no presente, para poder nos melhorar e repará-los.

Portanto, nós merecemos, sim, ser felizes, contudo esse merecimento não é uma dádiva, algo que nos é oferecido de graça, mas algo conquistado por nós, a partir de nossas ações de mudança.

Outra limitação é desejar uma mudança instantânea e sem esforços.

Tem a ver com a inércia, a preguiça e a acomodação que estudamos na primeira dificuldade.

A pessoa quer, apenas com base no desejo de mudar, que tudo assim aconteça de uma forma mágica ou miraculosa.

É claro que vai aguardar tudo isso em vão.

Leia ainda: VOCÊ SABE QUAL O MAIOR PROPÓSITO DE SUA VIDA?

Todas essas limitações para realizar a mudança são processos de autoboicote.

Em todos eles nós mentimos para nós mesmos, devido a um movimento muito comum, que é o autoengano.

O que o autoengano gera?

Ele tenta aliviar a nossa consciência, porque todos nós trazemos na consciência a necessidade de crescer emocionalmente, de evoluir.

Essa é uma necessidade para o Espírito assim como o é para o corpo o ar e a água, para viver.

Quando a pessoa nutre o autoengano é o mesmo se ela dissesse para si mesma: eu estou fazendo tudo que é possível para mudar; eu estou fazendo os exercícios; estou fazendo isso e aquilo, mas a mudança não acontece.

Contudo, será que ela está, realmente, fazendo tudo o que é possível ou está querendo, simplesmente, pelo desejo de realizar a mudança, que ela aconteça sem esforços?

O autoengano é um processo de passar um anestésico em uma ferida; alivia a dor da ferida, mas não a cura.

O autoengano, portanto, funciona como um anestésico na ansiedade de consciência, que a reduz, contudo não resolve a necessidade consciencial, porque para resolver a questão consciencial é necessário fazer os esforços de mudança a fim de se tornar uma pessoa mais consciente de si mesma.

Quando nós fazemos esforços de mudança para melhor o resultado é a conquista da paz, da harmonia, do sentimento de pertencimento, de alegria, de realmente estar no caminho traçado por Deus para todos nós.

Não é possível forjar esse estado interior.

Por isso, o processo de que a pessoa se utiliza, o de mentir para si própria, dizendo que está fazendo todos os esforços de mudança e, mesmo assim permanece inquieta, desarmonizada, sem o sentimento de pertencimento, é porque há desconexão com o todo.

É esse estado interior que consiste no parâmetro de avaliação, e não aquilo que dizemos com base no autoengano.

 Por isso, se você quer realmente fazer com que as suas metas de ano novo sejam concretizadas é fundamental que elas estejam bem formuladas e você trabalhar para superar essas crenças limitantes que são os fatores que realmente lhe impedem de realizar os seus objetivos.

Se gostou do artigo, compartilhe-o. Deixe o seu comentário sobre o que você achou deste artigo, ou a sua pergunta, se tem alguma dúvida. Sugestões de temas para futuros artigos também são bem-vindos!

Some Toughts (2)

  1. Avatar
    Luciana Rosa
    added on 11 jan, 2020
    Responder

    Esclarecedor, motivador , acolhedor. Muito obrigada por este incentivo e a ajuda em me fazer enxergar que minhas atitudes me direcionam a felicidade e sou merecedora com a Presença de Deus em mim.

  2. Avatar
    Telma
    added on 12 jan, 2020
    Responder

    Perfeito, espero vencer minhas dificuldades para atingir minhas metas esse ano, vou ler e reler procurando trabalhar os pontos elencado.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Olá!
Precisa de ajuda?