0
  • Carrinho vazio

    Você não tem nenhum item no seu carrinho de compras

0
  • Carrinho vazio

    Você não tem nenhum item no seu carrinho de compras

Digite a palavra chave

post

Impulso de afastamento: saiba por que ele tem sabotado a sua vida

Impulso de afastamento: saiba por que ele tem sabotado a sua vida

Isabel tem uma tendência de pensar sobre o que vai ser da sua vida no futuro.

Pensa muito se vai conseguir ser uma boa profissional, se vai ter alguma doença grave no futuro, se vai conseguir agradar o seu esposo para que ele nunca queira separar dela, dentre outros pensamentos muito angustiantes.

Em virtude disso, ela vive em um estado de ansiedade e angústia constante.

Isabel já tem as informações necessárias sobre o quanto lhe faz mal esse tipo de pensamentos centrados no futuro, em outras pessoas e questões externas a ela não passam de uma tentativa de ilusão de controle.

Devido às informações, Isabel se obriga a praticá-las dizendo para si mesma: não posso ficar tentando controlar o tempo futuro e os outros; eu tenho que parar com isso e focar no tempo presente e em mim mesma, mas eu não consigo, é muito difícil.

Quanto mais eu me policio para não fazer isso mais eu fico tentando controlar o futuro e as coisas ao meu redor.

Portanto, o que acontece é justamente o contrário, pois quanto mais ela se obriga a realizar esse objetivo, mas se distancia dele.

Com isso, entra em um conflito constante porque ao mesmo tempo em que se obriga a praticar o que já sabe ela sente que sabota o objetivo.

O que acontece com Isabel é muito comum.

O processo de autotransformação acontece em três etapas: informação, formação e transformação.

Muitas pessoas têm as informações necessárias para mudarem as suas vidas, mas em vez de realizarem o processo a partir da internalização constante daquilo que sabem em um processo de aprendizado, obrigam-se a realizar a ação, resultando em uma autossabotagem dessa obrigatoriedade.

A sabotagem acontece porque essas pessoas ao agirem dessa forma estão afrontando a lei de liberdade.

Agem assim devido ao impulso de afastamento.

Neste artigo, vamos refletir sobre como o impulso de afastamento tem gerado a estagnação de Isabel no âmbito pessoal e profissional.

O impulso de afastamento tem como base o desejo de se livrar dos conflitos geradores de incômodos emocionais, afastando-se deles e não os solucionando.

Está focado nos problemas e em uma suposta incapacidade em resolvê-los.

É muito comum nas pessoas que usam os ganhos secundários da máscara do ego da vitimização gerada pela inércia e acomodação.

No entanto, todo ato de acomodação, que é cômodo a princípio, cedo ou tarde, vai gerar mais incômodos para a pessoa.

Isso acontece até fisicamente, por exemplo, se a pessoa sentar em um lugar só e ficar parada, em inércia, daqui a pouco a pele a estará incomodando, e caso ela não mude constantemente de posição vai formar feridas na pele, as chamadas escaras.

Isso é mais verdadeiro nas questões conscienciais e emocionais, pois não fazer nada para mudar os nossos pensamentos e sentimentos egoicos, por mais cômodo que seja, inicialmente, porque permanecer na inércia é fácil, basta não fazer nada para mudar, porém é o fácil que vai tornando a vida cada vez mais difícil, devido aos incômodos que essa inércia nos traz.

O que vai acontecer quando permanecemos na inércia?

Em quaisquer circunstâncias, chega um momento em que os incômodos produzidos pelos problemas não resolvidos são maiores do que a própria acomodação.

Leia ainda: Você sabe o que é o conciliador interno e por que ele é tão importante para você se libertar da culpa?

Como ninguém gosta de algo incomodando que a faz sofrer, o que a pessoa faz?

Começa a se movimentar.

Ela se movimenta para quê?

Para se afastar do incômodo.

O incômodo gera sofrimento e mal-estar.

Aí ele diz: não aguento mais essa vida e faz alguma coisa para diminuir os incômodos, sem solucionar a causa dos conflitos, apenas atuando sobre os efeitos.

Ao realizar uma ação para minimizar os efeitos dos problemas estes diminuem, e a pessoa logo volta à inércia, pois os incômodos voltaram ao mesmo nível da acomodação, até que eles se avolumem novamente e todo o ciclo recomece, em um círculo vicioso de acomodação/incômodos, o impulso para se afastar deles e novamente a inércia.

A pessoa que se movimenta pelo impulso de afastamento está focada naquilo que ela não quer, expressado da seguinte forma: eu não quero sofrer; eu não quero ser insegura e medrosa; eu não quero ser infeliz; eu não quero errar; eu não quero ser ansiosa; eu não quero… etc.

Quem é que quer tudo isso? Ninguém!

Entretanto, se a pessoa fica focada naquilo que não quer e realiza ações apenas para diminuir os incômodos gerados pelos problemas que ela mesma cria, sem fazer esforços para solucioná-los na origem, ela pode passar a vida inteira dentro desse perfil.

Ela vive reclamando de uma vida mais ou menos, mas não faz nada em profundidade para superar esse tipo de vida.

No impulso de afastamento, a pessoa quer se afastar de um problema que ela acredita ter.

Ela tem uma necessidade, contudo não pensa no resultado que vai obter solucionando o problema, mas em todo o trabalho que vai ter para conseguir esse resultado.

Leia ainda: Os quatro passos fundamentais para desenvolver a saúde emocional; Você sabe quais são?

Quem age pelo impulso de afastamento, algumas vezes, até diz que quer muito ser uma pessoa mais equilibrada. Ela diz: eu quero ser uma pessoa mais calma, mas não consigo, mas não sou capaz, mas é muito difícil, mas é muito trabalhoso

Há sempre um “mas” que a impede de realizar o seu objetivo de vida, porque no fundo ela não quer realizar o trabalho para conseguir realizá-lo.

O seu foco principal é nos problemas e na sua suposta incapacidade em resolvê-los.

Dizemos suposta, porque essa incapacidade não é real, pois se trata somente de uma crença limitadora, em que a pessoa acredita que não é capaz, contudo, em realidade, ela apenas não quer fazer esforços para resolver a questão, visto que está focado nos ganhos secundários da acomodação e de se acreditar vítima das circunstâncias, colocando-se como incapaz.

Toda realização pede de nós o exercício da virtude do esforço para efetivá-la.

Em verdade, o significado dessa suposta incapacidade é que a sua vontade ainda é débil, pois não se dispõe a cultivá-la.

Do ponto de vista da inteligência, a pessoa é capaz, mas se faz de incapaz como se tivesse um quociente de inteligência abaixo da média, devido à sua debilidade da vontade, que é a pior debilidade que uma pessoa pode ter.

Temos visto pessoas até com uma deficiência em termos cognitivos, e estão realizando ações para mudar a própria vida.

Existem pessoas com síndrome de Down, cujo QI é abaixo da média, tornando-se profissionais respeitados, até como atores de filmes e de televisão.

Leia ainda: VOCÊ SABE QUAIS SÃO OS QUATRO PILARES DA VONTADE DE AUTOTRANSFORMAÇÃO?

Outros existem com debilidades físicas enormes, que são verdadeiros exemplos para aqueles que estão incapacitados pelo impulso de afastamento, que têm o intelecto intacto, o corpo normal, e por isso, têm tudo para viver de forma diferente, todavia não o fazem porque apresentam uma debilidade muito desafiadora de superar, enquanto não se dispuserem a isso, que é a debilidade da vontade.

O impulso de afastamento é cíclico, pois, uma vez que aconteçam melhoras nas condições que levaram a pessoa a realizar uma ação, logo surge o desânimo, pois ela pensa no trabalho que vai dar para conseguir fazer o que é necessário, em vez de pensar no resultado da resolução dos problemas que tem.

A pessoa quer se afastar do problema sem solucioná-lo, como se isso fosse possível.

Contudo, em um processo de autoengano, como a pessoa está acomodada ela nutre a ilusão de que isso vai acontecer.

O impulso de afastamento acontece em todas as situações em que nos obrigamos a realizar alguma ação para nos afastar de um conflito gerador de incômodos.

Inicialmente nos obrigamos, pois tememos as consequências em não resolver a questão, mas, como isso é fruto da obrigação, logo entraremos no autoboicote e aí voltamos ao padrão inercial que havia no início, até que as necessidades, devido a não realização da ação para resolver o problema, voltem a se avolumar e tudo recomeça, em um círculo vicioso.

É fundamental refletir que ninguém vai verdadeiramente produzir algo bom para si, obrigando-se a um processo.

A pessoa é convidada a exercitar várias virtudes para conseguir realizar os seus objetivos de vida, tais como o sentimento de liberdade, o discernimento, a reflexão, a decisão consciencial, a autoconsciência, o autoamor, dentre outras.

Se gostou do artigo, compartilhe-o. Deixe o seu comentário sobre o que você achou deste artigo, ou a sua pergunta, se tem alguma dúvida.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Olá!
Precisa de ajuda?
Powered by